30 de ago de 2015


       Até que ponto a minha tolerância me fornecerá paciência? Acabei de transformar todos meus sorrisos em solidão e arrogância. Desmerecidos serão até mesmo aqueles que recebiam o meu bom dia todas as manhãs. Quando eu me cansar por completo não haverá cidadão que tenha paciência de estar ao meu lado. Minha presença se tornará tão perturbadora que doerá na alma de quem sentir parcela de culpa nisso. Fui educado, gentil, legal e amigo o máximo possível. Vou te olhar profundamente nos olhos e você sentirá a ausência das piadas sem graça que eu tanto gostava de te contar. Já me disseram que talvez eu fosse o problema. Como eu desejo nunca ter falado com você, com todos. Dizem que eu sou amado, mas esse amor todo me sufoca, me preocupa e é agonizante como uma torneira aberta ás três da manhã. Tanto faz. Em breve não vou querer ninguém falando comigo. Não queria só um minuto de sossego e sim uma vida inteira. É o meu momento, minha hora de entrar em chamas, de ser o problema ao invés de estar no problema. Já me disseram que talvez eu fosse o problema. Me vem uma vontade louca de abraçar definitivamente essa ideia. Sinto que vou transbordar. Será que vou sobreviver sozinho? Nossa, como eu queria ter te ignorado, agora tenho que aturar essa sua essência de poder sobre mim. Quero meu tempo precioso de volta. Você me incomoda tanto, estou cansado de toda a ironia recheada de maldade. Eu e eu sozinhos na arquibancada da quadra soa muito melhor. Pra mim, esses meus sintomas ainda não são preocupantes e talvez nem sejam notados já que minha simpatia ainda é prevalecida. Mas saiba que isso tudo está aqui dentro de mim e quando for posto em evidência em sua presença peço que se retire, quero ficar sozinho. Já me disseram que sou o problema. Sou.

TEXTO ESCRITO POR: Ronyson Severiano

16 de ago de 2015


      Durante um bom tempo estive pensando e analisando algumas situações vividas no passado. Talvez tenha conseguido chegar a um denominador comum e finalmente decifrado a solução para o problema. Sou eu? Sou eu, trouxa, por esperar demais das pessoas? Sempre acreditei que o destino age de forma inconsciente ao tentar colocar minha vida em um sábio caminho. Que a partir das coincidências, boas reflexões são geradas. Defendi e lutei por um pensamento em que de todos os maus momentos saem coisas boas.  Hoje fiz uma tal de descoberta comigo mesmo que pode causar um desequilíbrio de ideias na minha mente, mas pode converter minha insegurança a um forte impulso de superação. O destino e o tempo nunca irão concertar o problema por completo. Se eu tiver que se machucar e chorar por alguém, a lágrima derramada nunca será esquecida. Será superada. As coisas boas podem ou não vir ao meu conhecer. Por que isso aconteceu? Por que comigo? E se talvez no futuro eu tenha a chance de voltar e apagar isso, minha vida vai mudar? Às vezes essas respostas demoram a chegar, ou chegam rápido demais – em minha opinião, essas são as mais perigosas, pois já me tiraram noites de sono -, ou nem chegam. Das coisas ruins sempre saem coisas boas? A resposta exata eu nunca terei, pois que cada um use esse pensamento como chave para sua trava. O que me resta agora são só as dúvidas que me tornam um pensador. Entender essas respostas pode ser uma tarefa arriscada, mas estrago pior que os efeitos causados pelo amor inventado ela nunca irá fazer. A causa é desconhecida, mas a reação tem destino. Sou eu, é você, somos nós. Sempre cai sobre a raiz da verdade, o coração puro e inocente que só queria viver e amar ao próximo. Das coisas ruins sempre saem coisas boas? Neste momento, eu sei que uma coisa boa dali sempre vai sair. Ou melhor, você vai sair, sairemos. Enfrentamos a tempestade, lutamos por sobrevivência e saímos como guerreiros. Talvez agora tenhamos a resposta. Quem sabe? Manterei minhas dúvidas vivas, pois do destino eu espero qualquer coisa. Somos o problema por acreditar nas pessoas e no amor? Podemos apenas sempre acreditar que essas pessoas que estão contra nossa positividade, no fundo, tenham algo a mais a nos mostrar do que a dor oferecida...

Texto Escrito Por: Ronyson Severiano